26 de dezembro de 2011

As lições que aprendi com o lápis

Especialmente nesta época do ano, somos convidados a refletir sobre nossas atitudes, refazer nossos planos, traçar novas metas, suscitar novos sonhos, enfim, é um momento oportuno para renovar as esperanças e acreditar que, com Jesus, nasce um novo tempo de mais amor e "paz entre os homens de boa vontade". Contudo, devemos compreender que esta mudança deve acontecer primeiro no interior de nosso coração, nos transformando em criaturas melhores e mais humanas.

As lições que aprendemos com o lápis são extremamente valiosas e podem nos ajudar nesta busca constante do ideal de humanidade pensado por Deus: um mundo onde todos possam viver o amor em sua plenitude.

Veja o que o filósofo Jerônimo Laurício escreve sobre as lições do lápis:

Certa vez alguém bem inspirado disse que a vida é um eterno aprendizado, onde os dias sempre surgem como a oportunidade de aprender novas lições. Estes dias por exemplo, tenho sido particularmente sugerido por alguns ensinamentos do lápis. Inicialmente, fiquei fascinado com uma frase de Madre Teresa de Calcutá, que olhando para sua vocação, conclui: “Não sou nada, senão um instrumento, um pequeno lápis nas mãos do meu Senhor, com o qual ele escreve aquilo que deseja”. Quando me deparei diante deste fragmento, fiquei surpreso por encontrar tantas lições veladas em um simples objeto, lições importantes que se bem aprendidas nos sugerem uma gama de significados para a nossa vida, nossa história, nossa vocação.

Não gostaria de ser metódico ao discorrer sobre os ensinamentos sugeridos pelo lápis, contudo, penso que inevitavelmente o serei, pelo desejo de juntos explorarmos da sua riqueza, tal como o garimpeiro se dispõe quando encontra uma mina. Com o lápis aprendemos primeiro a lição da confiança e do abandono em Deus. Ele nos sugere que podemos fazer grandes coisas, mas não devemos nos esquecer que existe uma Mão que guia nossos passos, uma Mão que deseja nos conduzir. É preciso nos submetermos a essa Mão, deixar-nos ser conduzidos e orientados por ela, ainda que não seja do modo como gostaríamos que fosse. Um lápis sem uma mão que o tome e o oriente, não tem muito sentido.

Uma segunda lição, é que na vida da gente depois de algum tempo, precisamos ser apontados. Passar pelo apontador não deve ser muito agradável ao lápis, mas para que a ponta fique evidente e apropriada para a escrita, ele precisa se deixar cortar. E deixar-se “cortar na carne'. É bem verdade que temos medo do apontador, e isso acontece porque sabemos que afiar a ponta significa quase sempre cortar excessos, aparar o que está sobrando, tirar o que não precisamos mais, e isso é muito difícil, embora seja necessário para o nosso crescimento. A beleza escondida nesta lição nos leva a uma terceira: ao passar pelo apontador, o lápis foi cortado em sua parte externa, mas também em seu interior. O grafite também foi modelado, renovado. Passou por um processo educador, porque educar, ex-ducere, quer dizer em latim, evocar a verdade; tirar, extrair, trazer para fora o novo. O que realmente importa no lápis, não é simplesmente a madeira ou seu aspecto externo, mas sobretudo, o grafite que está dentro. Para que a escrita fique perfeita, a ponta precisa ser feita por inteiro, daí a importância do cuidado com aquilo que acontece em nosso interior.

A quarta lição, é que o lápis sempre permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que estava errado. A necessidade da borracha nos faz abandonar atitudes e vícios, nos faz mudar comportamentos, mentalidade, convicções... Nos faz olhar em outras direções, pedir perdão, voltar atrás, recomeçar, superar o egoísmo e auto-suficiência. É interessante como de um modo admirável o lápis nos ensina a necessidade que temos da borracha quando estamos diante do erro.

Finalmente, a quinta lição é que o lápis sempre deixa uma marca. Tudo o que fazemos de algum modo marca as pessoas, e marca sobretudo nós mesmos. A qualidade dessas marcas sempre resultam das escolhas que fazemos diante daquelas outras lições. É preciso deixar as boas marcas para as quais o lápis foi gerado. Se ainda não as deixamos, é tempo de recomeçar. É tempo de escrevermos uma nova história. É preciso tal como o lápis nos abandonarmos. O tempo é agora. O tempo é neste dia que se chama HOJE. Um Bom Mestre está sentado à mesa e à sua frente tem um lápis, apontador, borracha e uma folha em branco assinada. Ele olha para a folha, toma o lápis em sua mão e concorda com Santo Agostinho dizendo: “ter fé, isto é, se abandonar, é assinar uma folha em branco e deixar que Deus escreva nela com o lápis da nossa vida o que quiser”.

Jerônimo Lauricio - Bacharel em Filosofia.

5 comentários:

  1. O objetivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo.
    É que nós deveríamos ter uma alma nova.
    É dentro de você é dentro de mim que devemos deixar renascer amor e Esperança,
    pois a vida é uma dádiva e cada instante é uma benção de Deus!
    Desejo um Feliz e Abençoado Ano Novo.
    Um 2012 de relizações na sua vida .Na nossas vidas.
    De coração te agradeço pela sua linda amizade.
    Beijos de Paz e Luz.
    Com Carinho.
    Evanir.

    Que Em 2012 possamos estar juntos muito mais
    que em 2011.

    ResponderExcluir
  2. Olá Kesia, estou passando para lhe desejar um Feliz Ano Novo e agradecer por já estar com o Selinho dos Catequistas Unidos 2012!

    Vamos nos preparar para grandes conquistas no ano que se aproxima!
    Paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  3. Olá passando para desejar um abençoado ano novo que Maria nossa Mãe possa nos iluminar e nos ajudar na construção do Reino de Deus, que nossos blogs possam ser luz no mundo tão necessitado de Deus. Abraços dos amigos Rosemary e Anisio.

    ResponderExcluir
  4. De repente, num instante fugaz, os fogos de artifício anunciam que o ano novo está presente e o ano velho ficou para trás. De repente, num instante fugaz, as taças de champagne se cruzam e o vinho francês borbulhante anuncia que o ano velho se foi e ano novo chegou. De repente, os olhos se cruzam, as mãos se entrelaçam e os seres humanos, num abraço caloroso, num so pensamento, exprimem um só desejo e uma só aspiração: PAZ E AMOR. De repente, não importa a nação, não importa a língua, não importa a cor, não importa a origem, porque todos são humanos e descendentes de um só Pai, os homens lembram-se apenas de um só verbo: amar. De repente, sem mágoa, sem rancor, sem ódio, os homens cantam uma só canção, um só hino, o hino da liberdade. De repente, os homens esquecem o passado, lembram-se do futuro venturoso, de como é bom viver. De repente, os homens lembram-se da maior dádiva que têm: a vida. De repente, tudo se transforma e chega o ano radiante de esperança, porque só o homem pode alterar os rumos da vida. De repente, o grito de alegria, pelo novo ano que aparece. FELIZ ANO NOVO!

    E com essa linda mensagem que dedico a você, deixo aqui um muito obrigado por ter gostado da retrô, e que em 2012 possamos estar juntos compartilhando um montão de ideias.

    FELIZ 2012!!!

    ResponderExcluir
  5. Tenha um 2012 abençoado, paz e luz, Shenia.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...