26 de janeiro de 2012

Um pouco de Formação


Ontem tivemos o primeiro de catequistas, este ano, em nossa Paróquia, onde fizemos uma breve avaliação da nossa caminhada em 2011 e traçamos novas metas para este ano. Nossa querida irmã Piedade nos proporcionou um momento maravilhoso de reflexão. Inicialmente, fizemos a leitura do seguinte Evangelho: Lc 22, 24-27

Ora, houve uma discussão entre eles sobre qual deles devia ser considerado o maior. Jesus, porém, lhes disse: “Os reis das nações dominam sobre elas, e os que exercem o poder se fazem chamar benfeitores. Entre vós, não deve ser assim. Pelo contrário, o maior entre vós seja como o mais novo, e o que manda, como quem está servindo. Afinal, quem é o maior: o que está à mesa ou o que está servindo? Não é aquele que está à mesa? Eu, porém, estou no meio de vós como aquele que serve.

Em seguida, ouvimos um trecho da crônica “O Padeiro” de Rubem Braga.


O Padeiro
Levanto cedo, faço minhas abluções, ponho a chaleira no fogo para fazer café e abro a porta do apartamento – mas não encontro o pão costumeiro. No mesmo instante me lembro de ter lido alguma coisa nos jornais da véspera sobre a “greve do pão dormido”. De resto não é bem uma greve, é um lock-out, greve dos patrões, que suspenderam o trabalho noturno; acham que obrigando o povo a tomar seu café da manhã com pão dormido conseguirão não sei bem o que do governo.  
Está bem. Tomo o meu café com pão dormido, que não é tão ruim assim. E enquanto tomo café vou me lembrando de um homem modesto que conheci antigamente. Quando vinha deixar o pão à porta do apartamento ele apertava a campainha, mas, para não incomodar os moradores, avisava gritando:  - Não é ninguém, é o padeiro!  Interroguei-o uma vez: como tivera a idéia de gritar aquilo?  ”Então você não é ninguém?”  Ele abriu um sorriso largo. Explicou que aprendera aquilo de ouvido.
Muitas vezes lhe acontecera bater a campainha de uma casa e ser atendido por uma empregada ou outra pessoa qualquer, e ouvir uma voz que vinha lá de dentro perguntando quem era; e ouvir a pessoa que o atendera dizer para dentro: “não é ninguém, não senhora, é o padeiro”. Assim ficara sabendo que não era ninguém…  
Ele me contou isso sem mágoa nenhuma, e se despediu ainda sorrindo. Eu não quis detê-lo para explicar que estava falando com um colega, ainda que menos importante. Naquele tempo eu também, como os padeiros, fazia o trabalho noturno.
Era pela madrugada que deixava a redação de jornal, quase sempre depois de uma passagem pela oficina – e muitas vezes saía já levando na mão um dos primeiros exemplares rodados, o jornal ainda quentinho da máquina, como pão saído do forno.  Ah, eu era rapaz, eu era rapaz naquele tempo! E às vezes me julgava importante porque no jornal que levava para casa, além de reportagens ou notas que eu escrevera sem assinar, ia uma crônica ou artigo com o meu nome.
O jornal e o pão estariam bem cedinho na porta de cada lar; e dentro do meu coração eu recebi a lição de humildade daquele homem entre todos útil e entre todos alegre; “não é ninguém, é o padeiro!” E assobiava pelas escadas.  
Texto extraído do livro: Para gostar de ler, Vol I -Crônicas . Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e Rubem Braga. 12ª Edição. Editora Ática. São Paulo. 1989. P.63 – 64. 
Após estas leituras, fizemos um momento de reflexão, trazendo estas mensagens para a nossa realidade. Nós, que muitas vezes, queremos ser notados e aplaudidos pelo trabalho que desempenhamos em nossa comunidade, devemos estar atentos para o que Jesus nos pediu: Seja aquele que serve! Ele mesmo nos mostrou com seu próprio testemunho, como devemos agir para receber a recompensa de Deus. Sabemos que não é fácil, mas, como a irmã bem nos lembrou, nós somos chamados a fazer a DIFERENÇA e não a INDIFERENÇA. Cabe a nós, exercer com fidelidade esta missão que Jesus nos confiou. O padeiro também nos ensina a ser humildes, servir com alegria ... mas, ser aquele que serve, não significa dizer que você não é ninguém. Todos nós temos o nosso valor e somos muito especiais para Deus. Até mesmo o pior ser humano possui uma característica que o faz especial aos olhos de Deus: todos somos criados à imagem e semelhança de Deus. O Catequista deve ser, antes de tudo, aquele que serve, que ama, que vai ao encontro do outro, agindo como o próprio Jesus.

Estas foram apenas algumas das reflexões proporcionadas em nosso encontro, mas cada um pode tirar suas próprias conclusões a partir destas leituras e aplicar o seu aprendizado no dia-a-dia, tornando a sua missão cada vez mais leve e agradável aos olhos de Deus.

Agora, convido você a rezar a oração que fizemos ao final do encontro:

Aqui estamos Senhor, querendo ouvir, entender e praticar a tua palavra e partilhar a nossa. Ajuda-nos a crescer no diálogo e na compreensão, na caridade e na justiça. Tua Palavra, que é luz, ilumine nossos caminhos para construirmos uma nova história, com lugar para todos, com Igrejas unidas fazendo um mundo melhor para as pessoas e preservando a natureza.
Sabemos que somos pequenos diante da grandeza da missão a que nos chama. Mas contamos sempre com a tua graça, que tudo pode, e há de realizar as tuas promessas. Mostra-nos, Senhor, os teus caminhos, ensina-nos as tuas veredas, e alimenta a nossa perseverança na caminhada. Amém.

4 comentários:

  1. Oi Késia, me alegro ao ver que os catequistas estão começando a movimentar-se para enfrentar 2012...Amei a história do padeiro e me lembrei que também disse isso: "Não é ninguém, é fulano(a)" rsrsrs E já ouvi: "Como assim, eu não sou ninguém!!" E vai vc explicar, que não era ninguém que representasse perigo, ou um desconhecido...
    Senhor, fazei-nos humildes e servidores sempre!! beijus

    ResponderExcluir
  2. Imaculada, você não é a única. Quem nunca falou a frase que o padeiro sempre ouvia? Felizmente fazemos parte daqueles que não falam com maldade. Triste mesmo, é ainda encontrar pessoas que falam como se realmente considerassem que ali, de fato, não é ninguém.

    ResponderExcluir
  3. Como é bom refletir e saber que assim como o Mestre nos ensinou,devemos ter humildade no nosso coração, para servir com amor e devemos anunciá-lo essa é a nossa missão,um ano repleto das benção de Deus, abraços
    Cris Rover

    ResponderExcluir
  4. Oi Kesia, vim comentar seu comentário rsrsrs, achei muito sábio sua forma de expressar seu modo de pensar sobre aquela reflexão das bananas, e hoje de manhã estávamos tocando nesse assunto no curso de pós-graduação que estou fazendo, só que lá o professor começou com uma outra história super interessante que depois vou ver se posto em meu blog e ele nos disse que o professor (no nosso caso catequistas) que trabalha sempre na mesmice, é a pessoa que não possui uma essência, e sabe qual essência é esta? O AMOR, por isso que conseguimos bons resultados e tudo graças ao AMOR.
    Tenha um ótimo fim de semana com paz e luzzzzzzzzzzzzzzzzz.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...